A jogada de marketing por trás das minicenouras

Saborosas, atraentes e convenientemente embaladas, as minicenouras são, em grande parte, uma estratégia de marketing para evitar o desperdício de cenouras comuns e com aparência disforme, que seriam recusadas pelos mercados.

Sua origem remete à Califórnia (EUA). Em 1986, o fazendeiro Mike Yurosek buscava meios de comercializar versões menos “graciosas” deste legume. Frequentemente, manchas ou imperfeições faziam com que as cenouras fossem logo descartadas.

Yurosek encontrou a resposta num lugar inusitado: um cortador de vagem. O equipamento era capaz de dividir as cenouras em frações menores, que poderiam ser esculpidas com um descascador de batata.

Para se ter ideia, dez anos após esta invenção, o consumo de cenouras per capita havia dobrado nos Estados Unidos.

Minicenouras custam 20 vezes mais caro

 Com alto valor agregado, esta variedade atende a um nicho de mercado específico, mas significativamente fiel. Após o processamento, as minicenouras podem custar mais de R$ 20 por quilo. Sua versão tradicional, disponível em bandejas, é comercializada por R$ 2, em média.