Bebê que nasceu a bordo de avião ganha passagens vitalícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Não foram as condições climáticas nem problemas técnicos que desviaram um voo das linhas áreas Spirit em 22 de junho. Os comissários e passageiros foram surpreendidos por uma experiência extraordinária: o nascimento prematuro de um bebê a onze mil metros do solo. O pequeno Christoph Lezcano nasceu saudável, para a felicidade de sua mãe, Cristina Penton, e seus dois irmãos.

Felizmente, havia um pediatra e uma enfermeira a bordo, que auxiliaram no processo de parto. Cristina, grávida de 36 semanas, disse que começou a sentir contrações uma hora depois de embarcar. Dez minutos após sua bolsa estourar, ela pôde carregar seu recém-nascido nos braços.

O piloto fez um pouso antecipado para que a nova família pudesse ser levada ao hospital. Ali, Cristoph ganhou seu primeiro presente: passagens grátis da Spirit para a vida inteira, que podem ser usadas no seu aniversário e dão direito a viagens com um acompanhante.

Em nota, a companhia aérea ressaltou: “É muito raro que um bebê nasça durante um voo. Porém, nossos comissários são treinados para todo tipo de emergência médica. Neste caso, também tivemos a sorte de contar com um pediatra a bordo, que proporcionou ainda mais cuidado e conforto”.

Mas afinal, gestantes podem viajar de avião?

O obstetra analisa cuidadosamente cada situação para garantir que a mamãe e o bebê viajem com segurança e tranquilidade. Geralmente, voar a bordo de um avião está liberado até a 27ª semana de gestação (exceto se a grávida tiver complicações médicas, como sangramentos vaginais, diabetes e pressão alta).

A partir daí, companhias aéreas podem, em alguns casos, negar o embarque de gestantes que estejam entre a 28ª e a 36ª semana, por risco de parto prematuro.

E mais: