Clara, para que te quero!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Assim como a laranja é rica em vitamina C e mantém o sistema imunológico fortalecido, a clara dos ovos proporciona alta carga de aminoácidos e um bom valor biológico. O alimento está diretamente ligado à reparação dos músculos e ao prolongamento da saciedade, por ser uma proteína de longa absorção.

“Com a ingestão adequada de proteínas, calculada de acordo com o indivíduo e a atividade física que pratica, é possível obter resultados melhores e o estímulo da hipertrofia muscular”, explica a médica Tatiana Camargo Pereira Abrão, endocrinologista, nutróloga e pós-graduada em medicina esportiva e nutrologia esportiva.

O técnico de qualidade José Luiz Rocha, de 31 anos, alia os exercícios físicos regulares à dieta rica em clara de ovos. “A versão pasteurizada vale a pena para quem precisa de grandes quantidades de proteína no dia a dia”, opina.

Assim como a rotina alimentar de Rocha, a dieta do estudante Renan Lara, 20, é balanceada entre carboidratos, proteínas e gorduras boas. O consumo de clara de ovo pasteurizada ou desidratada contribui para as horas dedicadas à academia. “A alimentação é mais importante do que a suplementação para quem se exercita em busca de resultados estéticos. Nesse caso, a clara de ovo é uma proteína de alta qualidade e baixo custo”, declara.

A clara também é indicada para quem deseja emagrecer sem ficar com a musculatura flácida. O ideal é consumi-la sem a gema. “A clara tem apenas 14 calorias, 3,2 gramas de proteína e não carrega gordura nem colesterol”, detalha Tatiana. “Já a gema contém 272 miligramas de colesterol, seis gramas de gordura e em torno de três gramas de proteína. Contudo, ela não deve ser descartada porque concentra a maior parte das vitaminas e dos minerais.” Ou seja: a união das duas partes faz do ovo um alimento especial.

Na opinião do engenheiro de alimentos Alberto Shinoda, o ovo não é rico apenas em proteína. A gema concentra uma boa dose de colina, integrante do complexo B que, por contribuir para a formação de novos neurônios, é considerada valiosa para a saúde do cérebro. “Atualmente, estudos mostram que o ovo completo é uma excelente fonte de proteína de alto valor biológico e que devemos limitar a ingestão apenas da gema, principalmente no caso de pessoas com alterações de colesterol”, orienta a nutróloga.

O reflexo é sentido no mercado: o Grupo Shinoda, por exemplo, processa 20 milhões de ovos de galinha por mês, que são convertidos em gemas, claras e ovos integrais pasteurizados e em pó. O Cantinho do Ovo, localizado no Mercadão Campolim, costuma comercializar uma média de 130 quilos mensais de clara de ovos em pó. Segundo o proprietário, Marcelo Gomes Bernardi, a procura aumentou graças ao público que frequenta academias e aos amantes de gastronomia. “Essas pessoas, também, são atraídas pelas novas opções de clara desidratada com sabores de chocolate, morango e baunilha”, complementa.

Talvez você goste destas notícias: