Como está o bebê que fumava 40 cigarros por dia?

Em 2010, o indonésio Aldi Suganda (na época, com apenas dois anos) virou notícia pelo mundo inteiro ao revelar que fumava 40 cigarros por dia. Segundo seus familiares, o vício começou aos 18 meses de vida.

Agora, sete anos depois, Aldi conseguiu abandonar a nicotina.

“Não foi fácil parar”, declarou, em entrevista à CNN. “Quando eu não fumava, sentia um gosto amargo na boca e tonturas. Mas estou feliz agora. Meu corpo está renovado.”

A reabilitação foi possível com o suporte do psicólogo Seto Mulyadi. Eventualmente, o garoto trocou um vício por outro: começou a comer em excesso, para amenizar as crises de abstinência. Com isso, um segundo tratamento foi conduzido, para estabelecer um estilo de vida mais saudável.

Lembranças dolorosas

Diana, mãe de Aldi, tem vívidas memórias daquele difícil momento. “Meu filho batia sua cabeça contra a parede, louco, caso não ganhasse um cigarro.”

O pequeno também exigia receber dinheiro para comprar novos maços. Em várias ocasiões, Diana foi questionada e julgada sobre suas habilidades maternais. “[Mas tudo o que eu mais temia] era que ele morresse.”

Indonésia, um país de fumantes

O caso de Aldi está longe de ser atípico: estima-se que mais de 267 mil crianças indonésias fumem. A cultura do tabagismo é forte no país. Os cigarros são acessíveis, baratos e amplamente divulgados. Ao todo, 57% dos homens com mais de 15 anos consomem nicotina diariamente.

4.700 razões para largar o cigarro

Em torno de 50% dos fumantes morrerão devido a complicações deste hábito, estima o médico Oliver Nascimento, em entrevista ao G1. O tabagismo está intimamente relacionado a mais de 50 doenças.

As 4.700 substâncias tóxicas do cigarro provocam desde cáries e alterações no paladar até enfisema e derrame cerebral. O estômago também sofre: gastrite, úlceras e náuseas são reclamações comuns no consultório. A circulação sanguínea é comprometida, com aneurismas, tromboses, varizes, colesterol alto, hipertensão e maior propensão a um infarto.

Precisa de mais motivos para superar este vício? Procure ajuda especializada; valorize sua saúde! 😉