Erros durante a escovação comprometem a saúde dos dentes

Por mais que se fale a respeito, nem todos realizam uma higienização bucal adequada. E de nada adianta escovar os dentes várias vezes ao dia se a tarefa não é cumprida rigorosamente. “É preciso uma mudança de mentalidade em relação à higiene bucal. Ela não pode ser encarada como uma obrigação diária, mas como um cuidado especial que favorece nossa autoestima e saúde. O sorriso é, afinal, nosso cartão de visitas”, alerta Carlos Villela, diretor clínico da Odontossel, de Sorocaba (SP).

A cárie, acrescenta Carlos, é só uma das diversas complicações que podem surgir devido à má limpeza dos dentes. “A cárie e o tártaro são as principais, mas a situação pode piorar com o tempo caso não haja uma mudança no padrão adotado. É o caso das inflamações e infecções, que podem, inclusive, migrar para outras partes do corpo”, aponta.

O especialista explica que escovar os dentes rápido demais compromete a qualidade da higienização. “A pressa é inimiga da perfeição, inclusive ao escovarmos os dentes. A escovação requer paciência e cuidado, para que nenhuma área da boca fique sem limpeza. As pessoas ficariam surpresas ao saber quanto um minuto a mais de higienização pode fazer pela saúde bucal. O segredo, talvez, seja encarar o momento como um hábito saudável e necessário, sem o peso de uma obrigação diária.”

Outro alerta é em relação ao equilíbrio no momento da escovação. Todos os dentes devem ser igualmente higienizados. “É comum as pessoas começarem a escovar os dentes com vontade e ir perdendo interesse aos poucos, limpando muito mal algumas partes. Deve-se escovar cada parte por pelo menos trinta segundos, sem esquecer da língua e do uso do fio dental”, diz.

Força excessiva

Há quem acredite que, pressionando a escova ao dente, estará garantindo sua perfeita higienização. Naturalmente, um dos propósitos da escovação é remover manchas e restos de comida. Mas não é necessário limpar os dentes como se estivesse polindo um carro. “Ao aplicar muita pressão na escovação, quem acaba saindo no prejuízo é o esmalte dental, que tem justamente a função de proteger os dentes das bactérias. Além disso, força excessiva pode machucar a gengiva. O ideal mesmo é fazer movimentos circulares, tendo em vista que escovação correta não implica em força, mas em jeito”, afirma Villela.

Enxague

Enxaguar a boca é um passo muito importante e que muitas pessoas, por pressa, não dão a devida atenção. “Ao lavar bem a boca, o indivíduo se livra de várias partículas, como restos de comida, que contribuem com a formação das temíveis placas bacterianas. Por isso, vale a dica: enxágue bem a boca antes e depois da escovação, com água ou enxaguante bucal”, indica o especialista.

Fio dental

O uso correto do fio dental remove a placa bacteriana e os alimentos nos lugares onde a escova não consegue chegar facilmente – sob a gengiva e entre os dentes. E como o acúmulo de placa pode provocar cárie e gengivite, usar fio dental diariamente é altamente recomendável. “Passe cuidadosamente o fio ao redor da base de cada dente, ultrapassando a linha de junção do dente com a gengiva. Nunca force o fio contra a gengiva, pois ele pode cortar ou machucar o frágil tecido gengival”, orienta Carlos.

Troca e conservação da escova

Por ser usada diariamente, a escova deve ser substituída a cada três meses. Também é importante efetuar a troca após resfriado, gripe, infecção na boca ou dor de garganta. As escovas podem ser meios de cultura para germes, fungos e bactérias, que depois de um tempo podem se multiplicar em níveis significantes. Depois de usar a escova, agite-a vigorosamente sob água corrente e guarde-a em pé, de forma que possa secar.

Mais assuntos relacionados